Desde sempre lembro-me viajando em imagens. Primeiro elas fugiram de meu olhar interno e se faziam ver mergulhadas em papel e cores. Depois vieram as palavras e a inspiração dos sonhos, pois foi a realidade que, muitas vezes, trouxe os pesadelos. Em busca de organizar este mundo interior surgiu a Ilha.União de idéias e sonhos, asas que herdei. Apresento-a em pequenos trechos e peço que questionem, perguntem muito para que ela possa tornar-se mais rica e interessante, lugar melhor pra viver.

25.7.09

A despedida da alma

1996-cabeza-ofelia-color Eduardo Naranjo



Ao sentir que era chegada a hora e porque as forças se esgotavam, deitei-me à espera. O coração batia forte como se tambores rufassem ao iniciar uma solenidade. Havia calma e doçura, mansidão terna e inesperada, agradável até. Aos poucos o corpo esvaziava, tornava-se leve e quase oco. E lá estava ela ao pé da cama. Havia despejado a pesada matéria como um barco que larga as defesas no cais antes da viagem. Olhei-a bem, com prazer. Mantinha as belas formas de outrora e me lembrava, mostrando como um filme, a nossa convivência de tantos anos. Antes de partir e abandonar nossa morada; alugada para duras batalhas e muitas festas, lembrou-me de todos os que me esperavam e apenas ao pensar naqueles que eu deixaria, e em todas as vidas que já não poderia testemunhar, um resto de lágrima ainda brotou dos olhos já entregues ao jamais. Então, ela virou-me suas costas pela última vez e pude perceber a curva de seus ombros arqueados por tanta carga e o quanto suportou sem jamais me faltar em algum momento. Ainda pude vê-la ao entrar na penumbra até sumir no negro, e eu já não mais estava ou existia.

Escrito em 25-07-2009
3h15' am

5 Comments:

Blogger Mocho Falante said...

Olha nem sei o que dizer sobre este texto arrebatador...fiquei sem palavras, a descrição desta despedida tem uma força que não é possível medir

beijocas

10:09 AM

 
Blogger Angela said...

querido Mocho! temos um fio em sintonia... grata por estar aqui.
Que teu ano seja muito feliz!

2:03 PM

 
Blogger EDUARDO OLIVEIRA FREIRE said...

Emocionante....

6:04 PM

 
Blogger Angela said...

dudv

É surpreendente experimentar a sensação de morte sem medo ou dor.

9:19 PM

 
Blogger P said...

La vida es esto. Prestémosle atención a los
detalles. Al calorcito humeante del pis, a sacar la basura, a viajar apretados
en colectivo. Si no disfrutamos eso, ¿qué nos queda?

3:04 AM

 

Postar um comentário

<< Home